imigrantes boêmios


Lançamento do livro “Imigrantes Boêmios” de Hilda Hübner Flores


centroaustriabrasil por centroaustriabrasil em 28/outubro/2015

Durante a 61ª Feira do Livro de Porto Alegre ocorrerá o lançamento do livro da Drª Hilda Hübner Flores, “Imigrantes Boêmios”.
Em contato com a equipe do Centro Cultural Áustria Brasil a autora relata:
“Sou boêmia de 4 costados, mas só tomei consciência disso na medida que circunstâncias diversas me fizeram voltar-me ao passado. Visitei a Boêmia em 2012, onde invulgar cicerone levou a arquivos esvaziados pela Democracia Popular Soviética  e a cemitérios com tumbas abandonadas pela deportação dos boêmios (1945-53).  O Museu de Gablonz mostra  o charmoso “cristal da Boêmia” que no século XIX exportadores colocaram nos 5 continentes e na oficina de um artesão extemporâneo conheci a tecnologia lapidária do século XIX.
Em momento oportuno, o Brasil atraiu “aldeias inteiras” desses artesãos, sem se dar conta de que com eles poderia ter aberto lucrativo veio financeiro alternativo. Enviou-os para a mata,  sem os orientar e instrumentalizar na difícil derrubada dos “gigantes da selva”,  amarrados na copada por intenso cipoal… Trabalhando dentro do perfeccionismo profissional, sem atender a época de plantio, pouco colheram…
   Meu avô foi derrubado pela “doença dos marinheiros” (escorbuto), contraída em viagem. Como Vó Josefa garantiu  sobrevivência aos 5 pequenos, naquela comunidade sem recurso por falência da empresa Colonizadora? Nenhum memorialista que tenha registrado, caminho aberto para a imaginação. Os cinco pequenos se criaram, com limitações materiais e afetivas certamente, todos com 4º ano primário, sabendo ler e interpretar texto como mostra correspondência posterior entre os irmãos; todos chefes mantenedores de sua família.
   Minha bisavó deve ter morrido de complicações de parto.  O sustento da família, a cuidado dos homens, não tinha problema.  Mas fracassavam ante mamadeira e fraldas. De maneira que  casaram a vó Josefa e o bisavô Ignaz, e dias mais ensolarados  iluminaram a infância dos órfãos, agora com pai adotivo…
 Posso assegurar que a pouca documentação disponível fornece informes  e lacunas à de romancista que queira preenchê-los. O certo é que minha incursão no passado coincide com um movimento de busca das raízes perdidas – entusiasmo que despertou interesse também do Cônsul da República Tcheca – os boêmios tchecos são, como cidadãos da província setentrional Boêmia  – desejoso de incentivar relações comerciais entre os dois países.”.